Notícias
Solsef
Missionários/as de Kalandula contribuem para o Sol Nascer para Todos

A missão Católica de Kalandula, localizada na província de Malanje (no noroeste de Angola), foi fundada em 1952 pelo padre Luís Devilley.




Desde então, houve vários missionários que contribuíram para o desenvolvimento com especial dedicação. Nomeadamente Pe. Marcos, que depois foi nomeado bispo; Pe. Arnaldo Rocha, desde os anos 60 até praticamente à data da sua morte no 2006; Pe. Paulino Livramento Évora, que viria a ser o primeiro bispo cabo-verdiano da sua terra de origem; Pe. Eduardo Osório ou Pe. Laranjeira. Atualmente, o responsável é um outro grande missionário das terras de Malanje, Pe. Manuel Viana.


Esta missão também é acompanhada por uma Congregação Religiosa feminina (Irmãs Dominicanas do Rosário) que, desde cedo, criaram uma comunidade pastoral mesmo da missão.


No total, a equipa Missionária é composta por três espiritanos (Pe. Manuel Viana, Pe. João Paulo e um estagiário angolano) aos que se somam as Irmãs Missionárias Dominicanas (Ir. Joaquina, Ir. Inocência, Ir. Julieta, Ir. Helena e Ir. Júlia).


Tanto o Pe. Manuel Viana como a Irmã Joaquina fazem parte da comunidade de uma forma muito profunda. Ambos têm dado a sua vida pelo povo de Kalandula. Sofreram, ao lado da comunidade, os horrores da guerra e ali ficaram para ajudá-la a reerguer-se e continuar.


O trabalho da missão abrange 150 comunidades. Recentemente, o Arcebispo pediu que assistissem mais duas missões, que ficam a 150 km da sede. Neste momento, os padres espiritanos acompanham à missão Católica de Kalandula, Quale e Massango.


Grande parte da atividade desenvolvida pela Equipa Missionária baseia-se na visita às comunidades, à formação dos catequistas e da juventude e ao desenvolvimento de projetos nas áreas da saúde e da educação. Nestas duas últimas áreas (saúde e educação), a Equipa Missionária tem desenvolvido tarefas cruciais, mesmo auxiliando a governação local. Um exemplo é o caso da Irmã Julieta, que tem desempenhado as funções de diretora do Hospital Municipal.


Em relação à saúde, a missão dispõe de um Centro de Saúde, que atende a população em geral, e um Centro de Saúde Materno-Infantil, que se ocupa especificamente da atenção sanitária ás mulheres grávidas, ás mães e ás crianças.


Na área da educação o trabalho missionário é especialmente difícil. O acesso ao sistema de ensino é extremadamente precário e há muitas crianças em idade escolar fora do mesmo. A missão tem uma Escola Primária (com oito salas de aulas nas que se inclui uma sala de informática) dirigida pelo Pe. João Paulo. Além disso, o Pe. Viana dedica-se também à formação pastoral e dos catequistas.


A Equipa Missionária também se ocupa da gestão de dois lares, que dão assistência as famílias mais carenciadas. Os lares albergam a cerca de 40 rapazes e raparigas, que estudam nos diferentes níveis de ensino, com idades compreendidas entre os 6 e os 19 anos.





É difícil ter uma noção média de pessoas que vão bater à porta da missão, mas podem ser contadas mais de 1500 anualmente, nas diversas áreas dos apostolados.


Ver a dedicação destes missionários nesta comunidade, que tem sido tão maltratada, faz-nos confiar no nosso convencimento de que um mundo melhor é possível.

 

 


O Sol nasce para todos
Organização Não Governamental para o Desenvolvimento
Facebook Youtube Instagram LinkedIn
Copyright 2021 Sol Sem Fronteiras Todos os direitos reservados
Design by: www.mediaminds.pt