Notícias
Solsef
História de vida | Domingos

A Cristina Fontes faz parte da Missão Espiritana de Itoculo, em Moçambique, desde 2018, quando chegou para realizar um ano de voluntariado missionário espiritano. Assim que chegou, sentiu que apenas doze meses não seriam suficientes para cumprir os objetivos marcados para o seu voluntariado, assim que foi ficando e, com o tempo, abraçou novos projetos que continuam a andar até aos dias de hoje. Um dos melhores amigos que fez em Itoculo é o Domingos, colaborador da biblioteca da Missão, que é um exemplo de constância, de paixão pelo saber e do poder transformador que tem a educação. Neste texto que a Cristina nos enviou poderás conhecer a sua história de vida.


Mensagem da Cristina Fontes

 

Conheci o Domingos em 2018, quando cheguei a Itoculo para o meu primeiro ano de voluntariado missionário. Apresentaram-mo como o colaborador da Biblioteca de Itoculo, da qual eu seria a responsável durante aquele ano. Trabalhamos juntos e sempre em equipa. Hoje, quatro anos mais tarde, para mim, o Domingos não é apenas o colaborador da nossa biblioteca, mas é um amigo e um grande testemunho de fé e missão. Obrigada, Domingos, por partilhares connosco o dom da tua vida!


História de vida do Domingos

 

"Chamo-me Domingos Agostinho, sou natural de Itoculo e sou cristão católico desde a minha infância, graças aos meus pais, que viveram em matrimónio. É uma graça ter pais bons, uma família boa. Quando eu era criança não queria ir à Igreja. Os meus irmãos seguiam sempre os meus pais na igreja, mas eu tentava sempre resistir. Um dia, eles chegaram da igreja e disseram-me que, naquele Domingo, tinha sido o nosso pai que tinha tocado o batuque e animado a celebração. Aquelas palavras comoveram o meu coração e, no Domingo seguinte, não perdi a celebração na expectativa de ver o meu pai no batuque. Mas ele não tocou. Disseram-me para esperar o Domingo seguinte e a verdade é que, a partir daquele dia, não voltei a falhar na igreja para ver se seria o papá a animar a celebração.


Acabei por ser inscrito na catequese que animava muito, sobretudo quando o catequista lançava uma pergunta e eu, com prontidão, respondia corretamente. Os meus irmãos elogiavam-me no regresso a casa e eu mal podia esperar para chegar o próximo dia da catequese. Ainda muito jovem, fui escolhido para ser catequista na minha comunidade, iniciando as formações com os Padres e as Irmãs da paróquia, que me ensinavam a escutar e compreender melhor a Palavra de Deus. Recordo bem os tempos em que dava catequese a crianças e adultos, muitas vezes, substituindo os meus colegas, sempre com a certeza de que na leitura da Palavra encontrava coisas boas e que a minha missão era transmiti-las aos outros. Por isso, nunca me falta alegria e ânimo com a força de Deus e da Sua Palavra.


Ainda catequista, aos 23 anos de idade, casei pela Igreja com a minha esposa Laura. Ao contrário do habitual, entre os casais das comunidades cristãs aqui em Itoculo, não quisemos esperar a velhice para avançarmos no matrimónio pela Igreja, porque pensamos que o matrimónio é o caminho que nos leva à graça de Deus. A caminho, crescemos, construímos e conseguimos descobrir juntos a alegria da vocação matrimonial. O Senhor teve a graça de nos conceder 8 filhos, 1 menino e 7 meninas, quatro das quais ainda vivem connosco. Todas a frequentar a catequese e a escola, às vezes, com muitas dificuldades financeiras, mas sempre sem desistir de dar a educação que sei que fará delas pessoas melhores e mais preparadas para enfrentar o futuro num país, em que as oportunidades, sobretudo para as meninas, ainda são tão limitadas.


Sei bem a importância da escola na nossa vida. Recordo-me do entusiasmo e alegria com que iniciei a minha 1.ª classe. Sempre sem reprovar, completei a 5.ª classe. Infelizmente, os meus pais não tiveram possibilidade de me ajudar a continuar os estudos. Mas eu não desisti e, já adulto e casado, percorria 14 km de noite para fazer o curso noturno e assim completar a 7.ª classe. Acabei por mudar de residência, para ficar mais perto da sede de Itoculo e tentar continuar os meus estudos com mais segurança. Em 2014, já a frequentar a 9.ª classe, tive a graça de conhecer a Rita e a Xana, duas voluntárias missionárias dos Jovens sem Fronteiras, e o Bernardino, jovem estagiário Espiritano, que se encontravam em Itoculo com a equipa missionária e que, sabendo da minha história, falaram com os padres para que eu pudesse colaborar na nova biblioteca paroquial e assim receber algum apoio para concluir os meus estudos e continuar a sustentar a minha família. Hoje, apesar de já ter outros meios de sustento, continuo a ser colaborador na nossa biblioteca de Itoculo. Para mim, é uma bênção continuar a trabalhar e a orientar os jovens que tanto precisam da ajuda da biblioteca para completar os seus estudos, como eu um dia precisei. Este é o caminho da felicidade e a educação é o nosso melhor meio para transformarmos o mundo.


Historia de Vida - Domingos Historia de Vida - Domingos

Na imagem da direita, o Domingos a trabalhar na biblioteca e na da esquerda, com a sua família


Não menos importante é a educação na fé. Dediquei-me ao ministério da catequese de adultos e crianças durante 20 anos e, por orientação da equipa missionária, formei-me como formador paroquial de catequese. Hoje continuo a ser animador e formador paroquial. Mas a minha fome e sede da Palavra de Deus não termina e também integro o grupo da Comunidade de Jerusalém. No meu pensar, aquele que tem muitos bens a guardar deve arranjar sempre maneira de se defender, porque facilmente o ladrão vem e rouba. A minha fé é o meu maior bem e a minha maior defesa.


Tudo o que sou e vivo faço-o para a Glória de Deus, não para minha glória. Ficam muitas histórias para contar, mas tudo isto não é nada, somente Cristo é Vida. Procurai Nele e vivereis!”

O Sol nasce para todos
Organização Não Governamental para o Desenvolvimento
Facebook Youtube Instagram LinkedIn
Copyright 2021 Sol Sem Fronteiras Todos os direitos reservados
Design by: www.mediaminds.pt