Notícias
Solsef
História de vida | Rondas

Conhecemos o Rondas na Escola Comunitária São João de Deus, situada no bairro de Mutauanha, em Nampula (Moçambique). Apesar de não ser um membro efetivo da equipa, o Rondas já faz parte do ecossistema da Escola há uns dois anos, quando o Pe. Alberto Tchidemba, diretor do centro, lhe cedeu um espaço que ele usa como atelier. Desde o seu cantinho, o Rondas ganha a vida pintando quadros, a sua verdadeira paixão, e faixas para as cerimónias. Para completar o seu ordenado, o Rondas também faz trabalhos de pintura nas casas e noutras construções, que o ajudam a garantir melhores condições de vida para os seus 4 filhos.


Rondas, o pintor da Escola Comunitária São João de Deus

O Rondas no seu atelier


O Rondas está muito ligado à Escola Comunitária São João de Deus


A vida do Rondas está muito ligada à Escola, não só porque o seu atelier está inserido nela, mas também porque um dos seus filhos a frequenta. Por isso, cada vez que tem que realizar um trabalho na Escola Comunitária São João de Deus, o seu empenho é ainda maior. Prova disto é o excelente trabalho feito ali na recente pintura das salas de aula e casas de banho, realizada no âmbito da Campanha Presentes Solidários da FEC | Fundação Fé e Cooperação. Foi o Rondas o responsável dar cor às infraestruturas, que deixaram a Escola com um ar renovado e que são o orgulho de toda a comunidade escolar. Além disso, também contribui para a sensibilização dos alunos para a prevenção da COVID-19 com a realização de um mural, que explica às crianças como se devem proteger para evitar a propagação do vírus.


Mural de sensibilização da Escola Comunitária São João de Deus

O Mural realizado pelo Rondas


A Escola no seu contexto, o Bairro de Mutauanha


Esta ligação com a escola começou com a ligação aos espiritanos, já que o Rondas pertence à Paróquia São João de Deus e conhece os Missionários do Espírito Santo desde que chegaram ao populoso bairro de Mutauanha, no qual o trabalho social feito pelos Espiritanos se torna muito importante pois as condições de vida não são fáceis. O rápido crescimento demográfico da Cidade de Nampula que, segundo o Instituto Nacional de Estatística de Moçambique, passou dos 303.346 habitantes no ano 1997 aos 760.214 no ano 2020, não foi acompanhado por uma igual evolução nas condições de vida. Estima-se que mais do 60% da força de trabalho da cidade exerça a sua atividade no setor informal, o que no bairro de Mutauanha se traduz na aposta pela agricultura e na venda dos excedentes em mercados informais. Deste tipo de trabalho poucas vezes é possível obter um rendimento alto e, muito menos, fixo, o que limita o crescimento económico e a prosperidade do bairro. O próprio Rondas sofre das consequências deste modelo na sua própria economia, já que tem que vender os seus quadros a um valor muito reduzido para que estes tenham saída no mercado. É por isso que o seu sonho é, algum dia, alargar a sua área de influencia e poder vender a sua arte também no centro da cidade de Nampula, onde o nível de vida é maior.


Ficamos muito gratas ao nosso trabalho por nos dar a oportunidade de conhecer tantas pessoas e realidades diferentes. Neste caso em concreto, a oportunidade de conhecer ao Rondas chegou da mão do projeto Inovação Educativa, que decorre na Escola Comunitária São João de Deus em parceria com os Missionários do Espírito Santo. Um projeto que foi possível graças ao cofinanciamento da Misereor e a todas as organizações que nos apoiaram através das Campanhas de Solidariedade da Família Espiritana e da Campanha de Natal dinamizada pela Sol sem Fronteiras em colaboração com os Jovens sem Fronteirase com o apoio da FARS. Muito obrigado!


O Sol nasce para todos
Organização Não Governamental para o Desenvolvimento
Facebook Youtube Instagram LinkedIn
Copyright 2021 Sol Sem Fronteiras Todos os direitos reservados
Design by: www.mediaminds.pt