23 de Janeiro, 2023

Encontro pós-projeto do Missão Cor Unum

Um projeto de voluntariado tem, pelo menos, 3 fases. Primeiro, a preparação do projeto (definição do local e definição de necessidades, seleção de voluntários, formação, definição de atividades a desenvolver e angariação de fundos). A seguir, o projeto em si (todo o trabalho desenvolvido no terreno, a relação com a missão de acolhimento e parceiros, com a comunidade local, todo o contexto de inserção cultural, linguística). Por fim, o regresso e avaliação. Este último implica também ele todo um processo de retorno a casa: perceber o impacto do projeto em cada um dos voluntários, fazer o devido acompanhamento individualizado, perceber o impacto do projeto no terreno, avaliar o processo como um todo, comprometer, cada um dos participantes e projetar… O que faço a partir daqui?

É neste contexto de avaliação, de acompanhamento, de fazer uma releitura do vivido, que são trabalhados os encontros “pós-projeto”, e o MISSÃO COR UNUM não fugiu à regra.

No fim de semana de 21 e 22 de janeiro os 11 voluntários reuniram-se em São Mamede da Ventosa, na área rural de Torres Vedras, para se reencontrarem pela primeira vez após o regresso de Cachoeira do Arari, na Diocese de Ponta de Pedras (PA), no Brasil.

Os voluntários desenvolveram aí um projeto missionário de inserção local com a comunidade de Cachoeira e demais comunidades do interior. Foi uma experiência de vivência comunitária interna (do grupo que partiu) e externa, no local onde o grupo se inseriu. Trouxe, naturalmente, as suas alegrias, as suas aprendizagens e os seus desafios, e por isso este encontro é tão importante: para fazer uma releitura do vivido no ano anterior, partilhar essa experiência e, naturalmente, encontrar e propor melhorias em todo o processo de formação e acompanhamento de um projeto de voluntariado.

A manhã de sábado começou com um momento de reflexão individual sobre o impacto do “eu no projeto, o projeto em mim”, “eu no grupo, o grupo em mim”, “eu na comunidade, a comunidade em mim” e respetiva partilha com o restante grupo. O P. Hugo Ventura orientou este momento. Durante a tarde foi o momento da apresentação das contas do projeto, pela Raquel Carreira, e ainda um momento de partilha, na eucaristia, com a comunidade do Turcifal e o respetivo grupo da LIAM, que muito apoiou o projeto Cor Unum. Depois, foi o momento de refletir e avaliar a implicação deste projeto no hoje da minha vida e da minha atitude. A Inês Prata levou o grupo a refletir e a partilhar sobre como ser e dar testemunho, a relação de fé e o que mudou em cada voluntário e na sua atitude perante a vida. À noite houve jantar convívio e na manhã seguinte a partilha foi com a comunidade de São Mamede da Ventosa na eucaristia dominical. O tema final foi o de avaliação de todo o processo formativo, as expectativas em relação ao projeto e as sugestões concretas de mudança, através da Cátia Sousa (representante da Solsef no projeto e da Raquel Carreira, da equipa executiva da Solsef). Foram também entregues os certificados a cada um dos voluntários.

O encontro terminou com um almoço de convívio com os grupos da LIAM de São Mamede da Ventosa e do Turcifal.