Países de Intervenção

Portugal

Datas

De janeiro a dezembro de 2022

Objetivos Gerais

Contribuir para o bem-estar de jovens, dos 12 aos 25 anos, através da aplicação dos princípios da Musicoterapia no âmbito da Promoção e Educação para a Saúde.

Contribuir para a tomada de consciência (individual e de grupo) de alguns princípios essenciais inerentes ao crescimento saudável do indivíduo em particular e do indivíduo em sociedade, no âmbito da Promoção e Educação para a Saúde, em jovens dos 12 aos 25 anos, através da aplicação dos princípios da Musicoterapia.

Objetivos Específicos

No âmbito da Saúde Sexual e Reprodutiva

  • Reconhecer a importância dos afetos no bem-estar individual;
  • Reconhecer a importância das relações interpessoais no desenvolvimento individual;
  • Valorizar as relações de cooperação e de interajuda;
  • Identificar valores de respeito e tolerância face às relações afetivas e sexuais.

No âmbito da Saúde Mental

  • Identificar o autoconhecimento na sua dimensão emocional;
  • Educar para as práticas de autorregulação do stress e da ansiedade;
  • Aprender a comunicar de forma positiva, eficaz e assertiva;
  • Refletir sobre o valor do sentido de pertença individual e comunitário.

No âmbito dos comportamentos aditivos e dependências

  • Conhecer os tipos e características das adições e dependências sem substância;
  • Conhecer os efeitos imediatos, a curto e a longo prazo, das adições e dependências sem substância;
  • Identificar fatores de risco e de proteção em relação às adições e dependências sem substância;
  • Identificar comportamentos saudáveis face à prevenção das adições e dependências sem substância.

No âmbito da alimentação e atividade física e desportiva

  • Compreender como as questões sociais, culturais e económicas influenciam os consumos alimentares;
  • Reconhecer que as escolhas alimentares são influenciadas por determinantes psicológicos e sensoriais, a nível individual e de grupo;
  • Analisar criticamente os comportamentos de risco na alimentação;
  • Compreender como as atividades lúdico-expressivas em grupo facilitam a atividade física no desenvolvimento integral.

Beneficiários

2000 Nº beneficiário Diretos
10000 Nº beneficiário Indiretos
50 % de mulheres beneficiárias

Público-alvo

Cidadãos jovens, dos 12 aos 25 anos de idade, inclusive, particularmente indivíduos ou grupos em situação vulnerável ou de exclusão social.

Atividades e Estratégia de Intervenção

A iniciativa SONS DE BEM-ESTAR, promovida pelo IPDJ – Instituto Português do Desporto e Juventude I.P. (IPDJ, I.P) no âmbito do dispositivo 2.2 do Programa Cuida-te+, visa promover a Educação para a Saúde pela Música.

As sessões têm como base os vários modelos teóricos que regem a Musicoterapia. Os métodos são combinados e adaptados às finalidades e características de cada grupo, podendo ser ajustados de acordo com a dinâmica e resposta dada.

As atividades propostas utilizarão técnicas ativas, onde os intervenientes são protagonistas, improvisando, tocando instrumentos ou cantando, e compondo; e técnicas passivas, que enfatizam a comunicação interna num processo de escuta e observação individual e conjunta.

As sessões seguirão uma Abordagem Globalizadora, isto é, uma abordagem que inclui: a Técnica e a Criativa. Assim, as atividades a realizar poderão ter um carácter mais técnico, com vista a desenvolver uma área específica pré-determinada, e outras com um carácter mais criativo, numa vertente lúdica que fomente a autoexpressão e a criatividade. A aplicação de ambas as abordagens atenderá aos objetivos e características do grupo alvo de intervenção, como a faixa etária ou valores a trabalhar.

As atividades serão dirigidas aos quatro planos que compõem o indivíduo: o plano Relacional (melhoria das habilidades sociais, despertar a consciência para comportamentos de risco e exclusão social); o plano Emocional (autoexploração, identificação de emoções e autoexpressão do próprio e do outro), o plano Cognitivo (fomentar as aptidões cognitivas como a atenção, concentração e memória) e o plano Corporal (consciencialização e expressão de emoções através do corpo e as suas implicações no contexto onde o indivíduo se insere).

A improvisação será uma das técnicas chave. Esta pode ser Não Referencial, ou seja, não tem por base nenhuma diretiva, respeita apenas a liberdade criativa ou Referencial, partindo de uma premissa prévia.

No âmbito das sessões serão ainda tratadas as seguintes áreas vinculadas à PES no âmbito do Dispositivo 2.2 da Medida 2 do Programa Cuida-te+: Saúde Sexual e Reprodutiva; Saúde Mental; Comportamentos Aditivos e Dependências; e Alimentação e Atividade Física e Desportiva. Cada sessão abordará uma temática em particular. As sessões são divididas em três etapas:

  1. Fase de Introdução: predispõe os participantes para as atividades, com uma sequência de exercícios de Aquecimento, onde é feita uma apresentação entre o orientador e os participantes. Esta apresentação é feita através de jogos de interação em grupo, que fomentam a confiança e desbloqueiam alguma resistência prévia.
  2. Fase de Desenvolvimento de atividades (ativas e/ou passivas), com o foco nos objetivos específicos pretendidos: recorrendo a jogos musicais (individualmente, a pares ou em grupo), com e sem instrumentos e a música pré-gravada. No final de cada atividade é feita uma conversa em grupo, onde serão revelados e discutidos os objetivos da tarefa, bem como o tipo de emoções que foram despertadas e que conclusões se podem retirar.
  3. Fase Final: fase de despedida onde se encerra a sessão procurando o regresso à normalização física e psicológica dos intervenientes.

Instituições participantes

Associação de Amigos da Criança e da Família Chão dos Meninos; Agrupamento de Escolas de Gavião; Agrupamento de Escolas de Ponte de Sor; Município de Nisa; Agrupamento de Escolas da Gafanha da Nazaré; Freguesia de Santa Joana; Cáritas Interparoquial de Castelo Branco; Escola Secundária Campos de Melo; Agrupamento de Escolas de Penacova; Agrupamento de Escolas Gândara Mar; Agrupamento Escolas Figueira Norte; Município de Arganil; Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres; Agrupamento de Escolas de Pombal ; Pombal Prof, SA | ETAP - Escola Tecnológica, Artística e Profissional de Pombal; Agrupamento de Escolas de Guia; Agrupamento de Escolas Dr. Serafim Leite; Município de Castelo de Paiva; Agrupamento de Escolas de Valongo; Agrupamento de Escolas Infante D. Henrique; Agrupamento Escolas Gaia Nascente; Escola Secundária Arquitecto Oliveira Ferreira; Escola Secundária de Penafiel; Fios e Desafios; Instituto das Artes e da Imagem; Município de Gondomar; Profisousa - Escola Profissional Vértice; Querer Ser; Santa Casa da Misericórdia de Marco de Canaveses; Câmara Municipal de Valongo; Câmara Municipal do Marco de Canaveses; CICCOPN ;Escola Secundária Augusto Gomes; Municipio de Paredes ; Município de Santo Tirso;Serv. de Ação Social do Inst. Polit de Viana do Castelo; Agrupamento de escolas de Monção; Agrupamento de Escolas de Vila Pouca de Aguiar Sul;Casa do Povo de Vilarandelo; Agrupamento de Escolas Latino Coelho, Lamego; Agrupamento de Escolas de Moimenta da Beira; Município de Mafra; Agrupamento de Escolas Eduardo Gageiro; Agrupamento de Escolas de Mem Martins; Centro Social da Musgueira - Pe. José Manuel Rocha e Melo; Agrupamento de Escolas Pintor Almada Negreiros; Casa Pia de Lisboa, I.P.; Agrupamento Luís António Verney; Agrupamento de Escolas Póvoa de santa Iria; Agrupamento de Escolas de Massamá; Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade; Agrupamento de Escolas N.º 2 de Abrantes; Câmara Municipal do Cartaxo; INSIGNARE-Associação de Ensino e Formação; Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha; Agrupamento de Escolas Eng.º Nuno Mergulhão; Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa

Parceiros

Financiadores